sábado, 26 de abril de 2008

006 - ...Porque tudo se vai no sumidouro do espelho...

Espelho


Espelho
Que reflete o que eu sou
E não o que eu quero ver.
Não me mostra o que me difere de você
Pois sou eu que faço questão de não ver.

O meu gordo alegre
Ou o meu magro triste
São coisas que os acessórios
Precisam esconder
Que só desviam sua atenção
Em realmente me ver

"O que eu realmente sou
Onde me confundo em ser
Na minha imagem no espelho"

Talvez seja a minha imaginação
Brincando de ser espelho
Ou talvez de tanto ver espelhos
Já sou mais uma imagem vazia
De alguém que se perde no mundo real
Ou será no mundo do espelho?

Onde tudo se repete
E a copia é vazia
Com a função maior de achar o seu igual,
Refletir o que não quer ver
Ou ferir por igual quem lhe ferir

E quando tudo que eu mais quero
É fechar os olhos pro espelho
Esquecendo do que eu vejo
Para refletir unicamente o que sinto
E o que realmente quero ver

Alguém tenta me lembrar
De abrir os olhos
Porque no final
No mundo do espelho
O que vale é a imagem
Que olham de você




MARCELO BONATES
O Trovador

2 comentários:

Karol disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Thalita disse...

Meu amigo, me orgulho de voce! ;)